sábado, 2 de março de 2013

A falta que você me faz, meu velhinho...

Tenho em mim um sentimento eterno agora. A saudade. De vez em quando ela chega, nem bate na porta, acomoda a sua bagagem e abre a porta da geladeira sempre que quer alguma coisa.
Eu, como sou uma boa anfitriã, recebo bem. Ofereço meu melhor e, por fim, mando embora. O problema é que até agora não tive coragem de expulsá-la daqui de casa. Então, vou deixando...
Até quando eu não sei. Uma hora ela há de se dar conta de que não a quero mais.