segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Mais um Dia dos Pais




Não é fácil amar sem sentir dor. Principalmente com quem já partiu. Dias antes deste domingo, meu coração ficou apertado de saudades. Pois há quatro anos não tenho a presença física do meu Paiaço no segundo domingo de agosto. E era tão bom...

Dia 11 chegou e me vi sem jeito de cumprimentar os amigos, pais dos amigos, familiares queridos. Pela manhã, chorei de saudade por não poder dizer Feliz Dia dos Pais ao meu velho. 

Nessa semana que antecedeu a data, sonhei por causa de sua ausência. E mesmo assim, o vazio não passou.

Em 2015 serão cinco anos sem a sua presença. Será mais um 17 de abril para lembrar sua partida. Mais um Dia dos Pais sem ele, mais um 11 de setembro sem festejar, mais Natal, mais um Reveillon, mais uma Páscoa, mais meu aniversário, mais tudo...

Queria poder fazer algo com esse “tudo”, com esse “mais”. Queria que fosse nada, que fosse menos. Ou, apenas, que todas as datas comemorativas fossem como os outros dias. Apenas a lembrança de um homem bom.